MAIS BOMBA! TATIANA ALMEIDA DIANTE DO JUIZ SÉRGIO MORO – DEPOIMENTO À LAVA JATO

Juiz nega suspensão do processo, e depoimento de Lula a Moro é mantido para quarta.
O juiz federal Nivaldo Brunoni, do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, negou nesta terça-feira (9) o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para suspender o processo no qual o petista tem depoimento agendado para quarta-feira (10).

Veja o Vídeo


MAIS BOMBA! TATIANA ALMEIDA DIANTE DO JUIZ… por OrdemBrasil

A defesa de Lula apontou que estava prejudicada pelo fato de, nos dias 28 de abril e 2 de maio deste ano, a Petrobras ter incluído parte dos documentos que havia solicitado no processo em que Lula é réu. Na ocasião, faltava pouco mais de uma semana para ele ser ouvido pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância.

Os defensores do petista, então, pediram um “prazo razoável, não inferior a 90 dias”, para analisar os dados apresentados pela estatal dentro do processo que corre na Justiça Federal em Curitiba.

Segundo o juiz, o pedido de suspensão “não merece acolhimento o pedido por falta de previsão legal”.

Brunoni diz que “não se desconsidera que a existência de milhares de páginas para exame demanda longo tempo”. “Mas foge do razoável a defesa pretender o sobrestamento da ação penal até a aferição da integralidade da documentação por ela própria solicitada, quando a inicial acusatória está suficientemente instruída”.

Na decisão, o juiz diz que “a intervenção do juízo recursal de modo prematuro deve ser evitada, de modo a resguardar o curso natural das ações penais relacionadas à tão complexa e grandiosa ‘Operação Lava Jato'”.

Sobre reclamações dos advogados de Lula apontado que a defesa estaria prejudicada, o juiz aponta que “eventual discussão a respeito de quaisquer vícios materiais e formais da prova terá lugar no curso da própria ação penal ou mesmo em sede recursal”.

O juiz diz que chama a atenção o uso de habeas corpus ser frequente, principalmente na Lava Jato, para “enfrentar, de modo precoce, questões de índole processual”.

“O remédio heroico destina-se a corrigir eventual ilegalidade praticada no curso do processo, mas, em especial, quando houver risco ao direito de ir e vir do investigado ou réu”, argumenta.

Créditos https://www.youtube.com/watch?v=8IyJVYrb4Ik