Alegria suprema. Gilmar debocha no adeus a Janot: ‘Que saiba morrer quem viver não soube’

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, usou um poema do português Manuel Maria Barbosa du Bocage para se despedir do procurador-geral da República, Rodrigo Janot — um dos seus vários desafetos. Questionado por jornalistas sobre como reagiria na última sessão de Janot na Corte, Mendes disse que se limitaria a responder com o verso final de um soneto.

 

“Diria em relação ao procurador-geral Janot uma frase de Bocage: ‘Que saiba morrer quem viver não soube’”, afirmou Mendes, recitando o poema ‘Meu ser evaporei na lida insana’. No soneto, o poeta diz: “Deus, oh Deus! Quando a morte à luz me roube, ganhe um momento o que perderam anos. Saiba morrer o que viver não soube.”

 

Janot não compareceu à sua última sessão no STF. Assim como ocorreu na quarta-feira, o subprocurador-geral da República Nicolao Dino substitui o chefe do Ministério Público Federal na Corte.
Via cesarwies.com

   

Gostou? Compartilhe!

  • 2.1K
    Shares