Ao denunciar Lula à Justiça Federal, procuradores fazem alerta: ‘Há indícios de manobras para destruir a Lava-Jato’

Ao apresentar à Justiça Federal de Curitiba denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por obras no sítio de Atibaia, que corresponderiam a repasse de R$ 1 milhão em propina de contratos da Petrobras, os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato manifestaram “estarrecimento” com as evidências de crimes praticados pelo presidente Michel Temer e pelo senador Aécio Neves, que presidia o PSDB, e afirmaram que “há indícios de manobras para ferir de morte a Lava-Jato”.

Em nota encaminhada à imprensa, os procuradores afirmam que há provas de crimes em relação a mais de 1.800 políticos e que, depois de três anos de investigação, “líderes políticos continuam a tramar no escuro a sua anistia, a colocação de amarras nas investigações e a cooptação de agentes públicos, ao mesmo tempo em que ficam livres para desviar o dinheiro dos brasileiros em tempos de crise, utilizando como escudo sua imunidade contra prisão e o foro privilegiado”.

Para a força tarefa, assim como a denúncia contra o ex-presidente Lula, os novos fatos são manifestação do “apodrecimento do sistema político-partidário”.

“A Força Tarefa da Lava Jato se coloca ao lado dos milhões de brasileiros indignados com essas práticas e que farão de tudo, debaixo da Constituição e da Lei, para enfrentar a corrupção”, diz a nota.

LULA DENUNCIADO POR CORRUPÇÃO E LAVAGEM

O ex-presidente Lula da Silva foi denunciado por corrupção e lavagem. Segundo os procuradores, os valores usados nas obras do sítio foram pagos de forma oculta pelas empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin. O MPF afirma que cerca de R$ 870 mil foram lavados com reformas, construção de anexo e benfeitorias no sítio, como a compra de móveis para a cozinha, para adequá-lo à família Lula.

Outros R$ 150 mil são atribuídos a propinas decorrentes de contratos do Grupo Schahin, com reformas conduzidas por intermédio do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Bumlai foi condenado na Lava-Jato por ter emprestado seu nome para um empréstimo do Banco Schahin ao PT. O valor foi quitado fraudulentamente, depois que o Grupo Schahin fechou contrato de fornecimento de sondas para Petrobras.

Além de Lula, Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, foi denunciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. O empresário Marcelo Odebrecht e Agenor Medeiros, executivo da OAS, foram denunciados por corrupção ativa.

Bumlai, Rogério Aurélio Pimentel (integrante da segurança de Lula), Emílio Alves Odebrecht, Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Carlos Armando Guedes Paschoal, Emyr Diniz Costa Júnior, Roberto Teixeira, Fernando Bittar e Paulo Roberto Valente Gordilho foram acusados da prática do crime de lavagem de dinheiro.

O sítio está em nome de Fernando Bittar e Jonas Leite Suassuna Filho, que não foi denunciado pelo Ministério Público Federal. (O Globo) e (cesar weis)