Bolsonaro é aplaudido ao falar sobre Reforma Trabalhista que pretende fazer

O pré-candidato à Presidência explica como irá reduzir o desemprego no Brasil, caso seja eleito.

Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta segunda-feira (21) que se for eleito pretende fazer uma reforma que possa flexibilizar as leis trabalhistas para reduzir o desemprego no País. Ele acredita que aos poucos as pessoas vão compreender que é melhor ter menos direitos e continuar trabalhando, do que ficar desempregado.

Suas declarações sobre a reforma trabalhistas foram feitas em uma palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), onde foi aplaudido por 300 empresários que o assistiram. Se for eleito, Bolsonaro também pretende investir em privatizações, além de um processo de desburocratização para estimular investimentos no País.

O pré-candidato à Presidência se considera humilde quando admite que não entende de economia. Ele ainda lembra que a economista era Dilma Rousseff, mesmo assim, ela fez uma desgraça no País, segundo ele.

Medidas contra MST E MTST
Durante a palestra, Bolsonaro abordou outros temas, como o Movimento dos trabalhadores ruais sem terra e o Movimento dos trabalhadores sem teto. Ele defende que a propriedade privada é sagrada, e se alguém invadir, deve ser recebido com ‘chumbo’.

Jair acredita que pessoas que compõe esse tipo de movimento são marginais e devem ser tratadas como terroristas. Além de armas, ele defendeu o uso de “lança-chamas” contra os invasores de terras.

Declarações polêmicas
Suas declarações por onde passa geram muitas polêmicas. Uma parte do eleitorado vibra e o chama de mito, a outra parte o critica e até vaia, como aconteceu nessa quarta-feira (23), na Marcha dos Prefeitos.

Para conquistar pelo menos 30% do eleitorado, Bolsonaro concordou com a equipe de sua campanha a ser mais moderado.

Embora tenha começado a fazer discursos mais amenos, ele disse que nunca vai ser um “Jaizinho paz e amor”.

Conquistando o eleitorado feminino
Na tentativa de conquistar o eleitorado feminino, o PSL (Partido Social Liberal) pretende colocar uma vice mulher para Bolsonaro. As duas cotadas são Joice Hasselmann e Janaína Paschoal. Nenhuma das duas confirmaram ou rejeitaram a proposta para o cargo de vice-presidente, até o momento.

Porém, Bolsonaro reitera que por ele sua preferência para vice-presidência é Magno Malta. Ele acredita que uma aliança com os religiosos, através de um dos mais influentes da Bancada Evangélica no Congresso, vai contribuir para que ele consiga ser eleito, mesmo que vá para o segundo turno.

Via: blastingnews

     

Gostou? Compartilhe!

  • 7.6K
    Shares