Bomba: novo presidente do BNDES já vai cair e pode ser preso

A 38ª fase da operação Lava Jato trouxe à tona dois lobistas e operadores do PMDB. A prisão de ambos, Jorge Luz e seu filho Bruno Luz, mexeu com os caciques do partido do presidente Temer. Jader Barbalho, Renan Calheiros e Sérgio Machado usaram pai e filho no esquema de corrupção na Petrobras.
O nome escolhido para substituir a ex-presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos, não passou pelo crivo da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). O economista Paulo Rabello de Castro é sogro de Bruno Luz conforme revelado com exclusividade pelo site Fênix do Planalto. O site O Antagonista repercutiu a informação publicada junto ao novo presidente do BNDES, que disse “nunca me convidaram para qualquer negócio.”. Em relação ao genro Bruno Luz declarou “para mim sempre foi ótimo marido e bom empresário.” e também “nunca soube das atividades ilícitas de Bruno”. A nota termina com aspas finais “quem não deve não teme”.

Documentos derrubam presidente do BNDES

Documentos publicados pelo site Águia do Planalto apontam para relações comprometedoras em que Bruno Luz simulou empréstimo ao sogro Paulo Rabello com dinheiro obtido de propina da estatal Petrobras.

Os analistas da força tarefa da Lava Jato fizeram cruzamento fiscal junto a Receita e descobriram que Bruno Luz lavou pelo menos R$ 700.000,00 em dinheiro usando o sogro e a irmã, Fernanda Gonçalves Luz, como beneficiários de simulação de empréstimos declarados à Receita.

Não é sem causa que o novo presidente do BNDES elogia seu genro Bruno Luz, que virou réu e continua preso com seu pai Jorge Luz na operação Lava Jato.
Via juntospelobrasil.com