Caminhoneiro que foi baleado na cabeça volta a protesto após ter alta no ES

Ele levou um tiro de um produtor que tentava furar o bloqueio dos manifestantes, mas passa bem. “Eu estou lutando por todo mundo, pelo Brasil”, disse.
O caminhoneiro de 38 anos que foi baleado no protesto da categoria na BR-101 em Cariacica, no Espírito Santo, voltou para a concentração do movimento, desta vez em Viana, mesmo com a bala alojada na cabeça, nesta segunda-feira (28).

Por norma, a Secretaria de Estado da Saúde não informa o estado de saúde de pacientes da rede pública. Foi a própria vítima, atendida em uma unidade de Cariacica, que disse ter a bala alojada na cabeça.

O caminhoneiro, que atua na profissão há 13 anos, contou que recebeu muito apoio e até aplausos dos colegas.

“Eu estou lutando por todo mundo, pelo Brasil. É muita corrupção, é muita coisa escandalosa que não dá mais para aguentar”, afirmou.
O crime aconteceu no domingo à noite, quando a vítima estava estava no ponto de protesto que fica em Cariacica, pedindo para agricultores não passarem por uma estrada alternativa com o objetivo de furar o bloqueio dos manifestantes.

Em um caminhão, pai e filho tentavam pegar o desvio quando foram abordados. Segundo a polícia, o filho do produtor rural, de 19 anos, ficou nervoso com a abordagem e disparou quatro vezes contra o grupo de manifestantes. Um dos tiros atingiu a cabeça do caminhoneiro.

“A gente estava pedindo para os agricultores colaborarem com a gente. De repente, eu cheguei para conversar com ele, ele não me esperou falar e já efetuou o disparo. Eu corri para a frente do carro e me abaixei. Quando eu me levantei, fui alvejado”, relatou o caminhoneiro, que pediu para não ser identificado.

vítima classificou a atitude do atirador como um “ato de covardia”. “Estamos na manifestação pacificamente, só querendo ajudar o país. Poxa, nós não fizemos nenhum mal aos agricultores”, lamentou.
Depois dos tiros, o pai e o filho seguiram viagem e, ao chegarem na Central de Abastecimento (Ceasa) de Viana, foram reconhecidos por outros caminhoneiros.

Os dois produtores foram detidos e disseram para a polícia que foram ameaçados pelos manifestantes. O pai prestou depoimento e foi liberado. O filho foiencaminhado pelo Centro de Triagem de Viana e vai responder por tentativa de homicídio.

Fonte: G1