Comandante máximo do Exército enviou recado ‘certeiro’ à ministra do Supremo


Segundo professor Roberto Romano, da Unicamp, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, tinha como alvo ministra da Suprema Corte.

Uma revelação contundente que acabou vindo à tona recentemente, por meio de um respeitado professor universitário, acabou repercutindo intensamente por meio das redes sociais. Trata-se do professor de ética e filosofia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Roberto Romano.

O professor universitário afirmou que a mensagem postada pelo comandante máximo do Exército brasileiro e um dos principais expoentes das Forças Armadas do país, general Eduardo Villas Bôas, foi direcionada de modo certeiro a uma das ministras do Supremo Tribunal Federal (STF). Vale ressaltar que na noite desta quarta-feira (4), o habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, foi rejeitado pelos votos de seis ministros contra cinco, em votação no Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os votos contrários ao habeas corpus preventivo foram dos ministros: Luiz Edson Fachin, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Alexandre de Moraes e a presidente da Suprema Corte, Cármen Lúcia.

Recado ‘certeiro’ ao Supremo Tribunal Federal
De acordo com o professor Roberto Romano, o destino de um “recado” dado pelo general Eduardo Villas Bôas no perfil do militar na rede social do Twitter teria como alvo certeiro a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber. Vale ressaltar que o voto da ministra Rosa Weber era considerado fundamental e decisivo para que a votação pendesse tanto para um lado ou para outro, ou seja, para a aceitação do habeas corpus de Lula ou para rejeição da medida, conforme foi decidido ao final através de uma votação apertada. O voto de Rosa Weber era ainda apontado por analistas jurídicos e por setores da grande imprensa brasileira como “balança” para o resultado final do julgamento de Lula.

Vale lembrar que o general Eduardo Villas Bôas havia se referido anteriormente ao julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula, porém, durante sua manifestação na rede social do Twitter, o militar, que representa uma das três forças do país, foi enfático ao considerar que “o Exército brasileiro estaria atento às suas missões institucionais”.

De acordo com o professor Roberto Romano, a ministra Rosa Weber teria compreendido perfeitamente o recado dado pelo comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas. A ministra teria entendido que havia uma recomendação considerada “implícita”, que deveria ser a rejeição da medida do habeas corpus preventivo de Lula. Segundo o professor Romano, Rosa Weber entendeu a situação e acatou o pedido feito pelo general Villas Bôas.

Via: blastingnews