CUT quebrada, vende prédio onde funcionou por 23 anos e demite funcionários

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) mergulho definitivamente na maior crise de sua história, após a derrubada do imposto sindical obrigatório. O sindicato fundado pelo ex-presidente Lula está quebrado e agora colocou à venda o prédio da entidade, avaliado em R$ 40 milhões, e está demitindo vários funcionários.

O presidente da CUT, Vagner Freitas, entrará para a história como o homem que estava no comando quando a casa caiu para o sindicalismo. Para fazer dinheiro, a entidade — a maior das centrais sindicais, braço político do petismo agora derrotado, sairá do prédio próprio no bairro do Brás, em São Paulo, local onde funciona a sede há 23 anos, para um imóvel mais modesto no centro antigo da cidade.

No fim de julho, a Executiva da CUT aprovou a venda do imóvel com sete andares, que já está sendo negociado com a Igreja Mundial do Poder de Deus, que ocupa um quarteirão inteiro do outro lado da rua. O negócio ainda não foi fechado, mas Freitas já decidiu pela saída do Brás, o berço do sindicalismo paulista. O fim amargo da CUT é consequência direta do fim da contribuição sindical obrigatória, imposto pelo Michel Temer no bojo da reforma trabalhista aprovada no congresso.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Sem dinheiro para bancar uma estrutura enorme e vários funcionários, a CUT faz como qualquer empresa falida. Demite empregados, vende ativos e se adapta à uma nova realidade bem mais modesta do que nos tempos de ouro dos governos do PT. Lula foi preso, Temer acabou com o imposto sindical e não há qualquer expectativa de que algo vá mudar daqui para frente.

Com informações da Revista Época

Compartilhe em Suas Redes Sociais

 

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.