Deltan Dallagnol abre o jogo e retruca declaração de Joaquim Barbosa

Procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato comentou sobre as expectativas das eleições presidenciais e a mudança no foro privilegiado.

O coordenador da força-tarefa das investigações da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, comentou sobre mudanças que estão ocorrendo e que também poderão ocorrer após as eleições presidenciais deste ano. No momento, o Supremo Tribunal Federal (STF) esclarece pontos na mudança do entendimento do foro privilegiado.

Em tom de esperteza, Dallagnol avaliou que as mudanças do entendimento do foro devem ocorrer no Plenário. Há alguns pontos que devem ser rediscutidos como o esclarecimento sobre o ”conceito de mandato” e de que forma atingirá os políticos. O procurador acredita que parlamentares que foram reeleitos devam responder por crimes praticados no primeiro mandato, sendo assim, enviados para a Justina na primeira instância.

Além do foro privilegiado, o procurador foi questionado sobre declarações dadas pelo ex-ministro Joaquim Barbosa, que entrou no holofote como um dos nomes para concorrer as eleições, porém acabou desistindo de lutar pelo cargo. O ex-candidato à presidência deu um recado pessimista durante entrevista no jornal Valor Econômico.

Joaquim Barbosa afirmou que não está nem um pouco esperançoso de que a situação do Brasil irá melhorar a partir da entrada de um novo presidente na República. Barbosa foi claro em dizer que o o Brasil é ”refém de um sistema” e que nada mudará o destino.

Deltan Dallagnol avaliou o comentário do ex-ministro como pessimista e disse que acredita em aspectos positivos com a vinda das eleições. O procurador disse que as eleições são peça-chave para que a população dê um passo contra a Corrupção.

O objetivo é não eleger políticos atrelados em processos na Justiça e fazer uma ”limpa” no sistema.

Dallagnol disse que não sabe o contexto das falas de Joaquim Barbosa por não ter ouvido a declaração. No entanto coloca-se ao contrário ao ex-ministro e mostra ser ”um pouco mais esperançoso”, segundo ele.

Conforme o andamento das investigações e descobertas envolvendo diversos crimes, Dallagnol afirma que a democracia está se tornando um pouco mais forte, mesmo com o problema da corrupção continuar sendo alarmante.

Dallagnol comparou a corrupção com a inflação, ele lembrou momentos históricos em que o Brasil venceu a inflação e isto mostra-se positivo ao combate a corrupção. A operação Lava Jato se tornou um marco na história da política devido as suas diversas fases que colocou na cadeia políticos e empresários da alta sociedade.

Via: blastingnews

     

Gostou? Compartilhe!

  • 5.1K
    Shares