Em segundo inquérito, MPF conclui que Adélio Bispo agiu sozinho e pede arquivamento

O Ministério Público Federal em Minas Gerais pediu arquivamento provisório do segundo inquérito que apura a possível participação de terceiros no atentado contra Bolsonaro durante campanha eleitoral de 2018.

Após análise de material reunido pela PF, a Procuradoria afirma ter concluído que Adélio Bispo de Oliveira concebeu, planejou e executou sozinho o atentado.

O pedido de arquivamento é provisório em razão de diligências que não foram feitas por dependerem de decisão do Supremo Tribunal Federal, por exemplo, a perícia em materiais apreendidos com advogados de Adélio Bispo. A própria origem do pagamento dos honorários dos advogados, que não foram contratados pelo criminoso ou por seus familiares, ainda é desconhecida.

O caso está parado no STF desde fevereiro. A ação sequer foi distribuída ainda, de modo que ainda não há ministro relator. É essencial que a corte decida sobre o assunto para que novos elementos surjam e abram novas frentes de investigação.