‘Encomendados’ para salvar Lula são pegos de surpresa por Cármen Lúcia


Ministra percebe fatos estranhos na Corte e toma medida rápida para manter sua posição.

Um possível esquema montado para tentar salvar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fica frustrado com a resistência da ministra e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

Nos bastidores do Supremo, os ministros Dias Toffoli e Celso de Mello trabalham assiduamente para que o petista não seja preso e junto com eles, existem também infiltrações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) que teria estado em conversas com Gilmar Mendes, ministro indicado por ele, para facilitar as coisas para Lula. Todas essas informações são analisadas por jornalistas críticos que querem tentar explicar para a sociedade quais são as investidas da Corte no caso de Lula.

 

O ministro Dias Toffoli sempre caminhou ao lado do PT. Ele foi indicado por Lula para uma cadeira da Corte e já participou ativamente do governo petista, sendo Advogado-Geral da União. Toffoli teria dívidas de gratidão com o ex-presidente e o momento de ajudá-lo seria agora. Ele é o responsável em deixar livre da cadeia o ex-ministro Paulo Bernardo, marido de Gleisi Hoffmann, senadora e presidente do PT.

Celso Mello é outro ministro que tem criticado a resistência de Cármen Lúcia. Segundo informações, o decano da Corte é amigo íntimo do novo advogado de Lula, Sepúlveda Pertence, ambos teriam sido indicados pelo ex-presidente José Sarney para assumirem a Corte. Ele é a favor da prisão do condenado após se esgotarem todos os recursos da defesa, ou seja, poderia demorar décadas e décadas para alguém ir preso.

Declarações de FHC
Muita gente se surpreendeu com as declarações de FHC para a Folha de São Paulo, nesta semana. Ele afirmou que se pudesse voltar ao passado, se aproximaria de Lula e de outras forças políticas que ele achasse progressistas em geral. Gilmar Mendes é um ministro muito amigo de FHC e poderia estar sendo envolvido em pedidos para ajudar o líder do PT a não ser preso.

Resistência
Supostamente, todos querem ajudar Lula, mas uma mulher tem aparecido no caminho e interrompido essas investidas na Corte. Cármen Lúcia tem resistido às pressões e chegou a marcar uma reunião em seu gabinete. Ela informou para o relator da Lava Jato, Edson Fachin e para o ministro do STF e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, que não aceitará colocar na pauta da Corte um novo entendimento sobre o cumprimento da prisão após condenação em segunda instância.

Cármen está tendo papel decisivo para que Lula seja preso e cumpra a sua pena.

 

Via: blastingnews