Estranho pedido de doleiros promete movimentar Justiça de Curitiba

A operação ‘Câmbio, Desligo’ prendeu 53 doleiros. Nas mãos do juiz Marcelo Bretas, pedido da defesa soa de forma estranha.

Nesta última segunda-feira, 14 de maio, a colunista da Folha de S.Paulo, Daniela Lima, afirmou que doleiros estão ”à procura” de Sergio Moro. Um pedido inusitado na Justiça pode levantar algumas hipóteses sobre as investigações. Na operação da Polícia Federal, “Câmbio, Desligo”, diversos doleiros foram desmascarados e seguem respondendo processos na Justiça. O juiz Marcelo Bretas, do Rio de Janeiro, é o responsável pelos processos.

Os doleiros Jorge e Raul Davies fizeram um pedido inusitado: eles desejam que o inquérito vá para as mãos do juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. O pedido é considerado ”estranho”, pois Moro é conhecido como o ”terror dos réus da Lava Jato”.

O juiz colocou na cadeia grandes nomes da alta sociedade, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde o dia 7 de abril.

Segundo informações do portal BBC, o juiz Marcelo Bretas determina penas muitos mais rígidas a investigados que Sergio Moro. As penas estabelecidas pelo juiz do Rio acabam sendo pesadas. Além do mais, durante as investigações da operação Banestado, que teve Sergio Moro como juiz, os doleiros conseguiram liberdade.

Ao que tudo indica, os doleiros buscam ir para a Justiça de Curitiba com a esperança de que possam ser ”salvos” por Moro e evitam uma possível pena rígida imposta por Marcelo Bretas.

A atitude dos doleiros vai na contramão de outros réus da Lava Jato que estudam todas as formas para não cair na 13ª Vara Federal.

Quem são Jorge e Raul Davies?
Jorge e Raul Davies fazem parte dos 53 doleiros presos pela operação “Câmbio, Desligo”.

A prisão correu no Uruguai. O início da operação mostrou potencial ”explosivo”, podendo ser muito maior que o Banestado.

O procurador da Lava Jato, Eduardo El Hage, avaliou que se a Lava Jato começou com um doleiro, a operação “Câmbio, Desligo” mostra um potencial monstruoso pela quantidade de doleiros detidos praticando irregularidades.

Um dos principais doleiros das investigações é Dario Messer, ele se encontra foragido. A Polícia descobriu que o doleiro tinha acesso ao sistema Drousys da Odebrecht e seu apelido era ”flexão”.

Messer é apontado como o doleiro que dava lastro a operações de câmbio que eram realizadas pelos seus sócios Claret e Barbosa. Messer ficava com 60% dos lucros e já foi alvo de investigações no caso Banestado. Entre os valores envolvidos, Dario recebeu cerca de US$ 29 milhões entre 2009 e 2017.

Via: blastingnews