Fim do grupo da Lava Jato de Curitiba é grave

Segundo a reportagem da revista Época, delegados em Brasília, entre eles o próprio Leandro Daiello, comentavam, a interlocutores, que a investigação em Curitiba estava esfriando e que a equipe não seria mais necessária em razão de uma suposta falta de demanda.

No entanto, todos em Curitiba – inclusive na PF e no MPF – discordam dessa justificativa.

“Temos coisas para fazer e não temos para quem pedir porque eles estão assoberbados de trabalho ordinário”, diz um procurador. “Não têm tempo para desenvolver novas frentes de investigação. Isso se reflete também na ausência de novas operações.” É incontroverso que há centenas de mídias apreendidas nas fases anteriores da operação ainda sem análise.

 

A desarticulação do grupo, fazendo com que os trabalhos não sejam focados exclusivamente na Lava Jato, é mais um duro golpe contra a operação. E pode ser fatal.