General Heleno revela que Inteligência descobriu novo plano de atentado contra Bolsonaro

General Augusto Heleno, futuro ministro da Defesa do presidente eleito Jair Bolsonaro, apontou para indícios que classificou como um plano terrorista.

O general da reserva do Exército brasileiro e futuro ministro da Defesa no Governo do presidente eleito Jair Messias Bolsonaro, Augusto Heleno, se referiu durante entrevista ao jornal “O Globo”, das Organizações Globo, que o futuro mandatário do país estaria correndo risco de vida, a partir de informações que levam às autoridades se debruçarem sobre a possibilidade de que houvesse um plano de um novo atentado contra ele.

De acordo com o general Augusto Heleno, o presidente eleito poderia sofrer um novo atentado contra sua vida, por meio da implementação de um suposto plano terrorista. Vale lembrar que durante a campanha eleitoral para a Presidência da República, em meados do mês de setembro, Bolsonaro foi esfaqueado por um ex-filiado do PSOL, Adélio Bispo de Oliveira, que acabou sendo preso.

Bolsonaro chegou a perder dois litros e meio de sangue e foi salvo por médicos da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, no estado de Minas Gerais e posteriormente, removido para o Hospital Albert Einstein, considerado um dos mais conceituados do país, em São Paulo.

Suposto novo atentado
Segundo informações repassadas pelo setor de Inteligência das Forças Armadas e que o general Augusto Heleno teria tido acesso a essas informações, existiria a possibilidade de que um novo atentado ocorresse contra o presidente eleito, caracterizando-se como um plano terrorista, segundo disse o próprio general Augusto Heleno. As palavras do militar da reserva vieram à tona, como resposta a rumores que começaram a circular na capital federal já nos últimos dias.

O general Augusto Heleno alertou que “a informação de que seria plotado um suposto planejamento de ato terrorista contra o presidente eleito Jair Bolsonaro seria, no entanto, verdade, já que haveria uma confirmação fornecida por autoridades da área de inteligência do país”.

Entretanto, o futuro ministro da defesa não chegou a revelar quem poderia ter sido o autor desse plano de atentado. O militar também não informou nem mesmo, que tipos de providências seriam destinadas e relação a esse caso.

Porém, uma das medidas tomadas pela Polícia Federal trata-se do aumento do número de agentes que fazem a segurança do presidente eleito. No início da semana, o número de policiais federais foi ampliado de 35 para 55. Entretanto, a Polícia Federal negou que a ampliação desse número tenha a ver com uma eventual ameaça de novo atentado contra Jair Bolsonaro. A explicação para esse aumento no número de policiais, é que a medida já estava prevista, desde a primeira fase da campanha eleitoral.

O general Heleno disse ainda que as informações relacionadas sobre o suposto plano de ataque contra Bolsonaro, já foram discutidas em reuniões da Polícia Federal e da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).

Via: blastingnews

Compartilhe em Suas Redes Sociais