General questiona se militares aceitariam, passivamente, subordinação a Lula

Em meio ao impasse que o Supremo Tribunal Federal vem causando em não decretar de uma vez que Lula está fora do jogo, o general Heleno mandou um duro recado para aqueles que insistem em querer pagar para ver. 

Augusto Heleno, que comandou as tropas do Haiti e chegou a ser cogitado como vice de Jair Bolsonaro, comentou sobre como os militares reagiriam a um possível novo governo Lula.

Abaixo está a nota que o general distribuiu a jornalistas:

“Para reflexão dos juristas, advogados, petistas e assemelhados.

Nas escolas frequentadas por oficiais e graduados das Forças Armadas Brasileiras, não ‘colar’ é um dos preceitos do código de honra dos alunos. Na maioria delas, as provas são feitas sem fiscalização e os próprios alunos zelam pelo cumprimento desse postulado. Uso de meios ilícitos resulta em desligamento da escola e, portanto, fim de carreira.

Será que esses mesmos militares aceitariam, passivamente, a subordinação a um comandante supremo condenado por corrupção e lavagem de dinheiro?”

Anterior a isso, durante uma palestra, o hoje candidato a vice de Jair Bolsonaro, general Mourão, já havia comentado algo semelhante a respeito. 

Na ocasião, Mourão destacou sobre o repúdio das Forças Armadas a esta questão. 

‘Lula como presidente da República usou o cargo em proveito próprio e da sua família para desviar recursos que a nação tanto precisa’, disse o general, ressaltando que o petista está fora de cogitação. 

 

Via: PAPOTV

Compartilhe em Suas Redes Sociais