General se revolta, rebate Raquel Dodge e dá recado

Através das redes sociais, general perde a paciência com a procuradora-geral da República.
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou, nesta segunda-feira (05), um pedido de suspensão da obrigatoriedade do voto impresso nas eleições deste ano. De acordo com ela, a medida aprovada em 2015 é inconstitucional e acaba se tornando uma grande ameaça das pessoas terem seus votos revelados caso dê algum problema nas urnas.

 

Dodge afirmou que problemas podem acontecer no dia da votação e colocarão em risco a confiança do eleitor no sistema eleitoral.

As palavras da procuradora-geral deixaram o #general da brigada, Paulo Chagas, totalmente irritado. Ele desabafou nas redes sociais e escreveu que tudo isso era uma “vergonha”.

Conforme os dizeres do general, Dodge agiu errado. Ele escreveu que é preciso perguntar à Procuradoria-Geral da República (PGR) o quanto vale para Raquel Dodge a confiança das pessoas no processo eleitoral.

Dodge falou em retrocesso se caso o voto seja impresso. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, foi sorteado para ser o relator do pedido da procuradora.

 

Argumentos
Raquel comentou que no ano de 2002 já ocorreram vários problemas com a implantação do voto impresso em municípios brasileiros. As filas aumentaram, as urnas tiveram problemas e votos brancos e nulos tiveram grande destaque nas votações.

Em novembro de 2015, vários parlamentares votaram para que o voto impresso fosse aprovado. A proposta é do deputado federal Jair Bolsonaro, que ressaltou uma grande desconfiança com o sistema eletrônico.

Invasão
Uma reportagem do ano passado do site R7 mostra que as urnas eletrônicas podem ser invadidas em questão de 90 minutos por hackers. Eles encontraram diversas falhas e pontos importantes que podem ser alterados. Porém, organizadores de um evento de Las Vegas comunicaram que os hackers não conseguiram mudar nenhum voto. A resposta deles foi contundente. Os invasores disseram que não mudaram os votos porque este não era o objetivo do evento.

Esse evento foi realizado em meio a grande preocupação de que a Rússia teria invadido as urnas dos Estados Unidos e mudado o voto de algumas pessoas. Os russos negam essa informação.

O general Paulo Chagas e muitos outros brasileiros, talvez uma grande maioria, também não confiam nas urnas. Surgem inseguranças em relação ao sistema eleitoral. O voto impresso seria uma forma de melhorar e dar mais tranquilidade aos eleitores.

Via: blastingnews

     

Gostou? Compartilhe!

  • 10.6K
    Shares