Ginecologista é expulso do conselho médico por estimular o ponto G das pacientes

Durante as consultas, o homem, quando perguntado, estimulou o ponto G de duas pacientes

Um médico de Cincinnati, no estado de Ohio, nos Estados Unidos, foi expulso do Conselho Médico norte-americano após ser denunciado por conduta inadequada. Durante as consultas, o profissional tentou estimular o ponto G das pacientes. O caso aconteceu com duas mulheres, que coincidentemente, eram assistentes do médico e pacientes.

O médico Kurt Froechlich, de 48 anos, teria tido uma relação sexual consensual em seu consultório, conforme depoimentos de uma paciente. De acordo com a mulher, ela perguntou ao médico sobre o ponto G. Em resposta, Froechlich começou a estimular a mulher e teve relações sexuais com ela dentro do consultório.

O caso voltou-se a repetir, mas sem relações, com uma segunda mulher. Da mesma maneira, ela questionou o doutor sobre onde ficaria a área sensível no corpo feminino. Novamente, o médico estimulou a paciente, até a mulher chegar ao orgasmo. Apesar de os dois casos terem tido consentimento das pacientes, os atos são considerados como conduta inaqueda para um profissional da saúdee;de.
Os dois atos chegaram ao conhecimento do público quando Froechlich assediou uma das médicas do hospital em que trabalhava. Em 2012, o profissional chegou perto da mulher, quando os dois estavam sozinhos em uma sala, e colocou a sua mãe dentro da blusa e da saia da médica, que fazia residência no hospital. Ao pedir que Froechlich parasse, o médico pediu que a mulher não trabalhasse mais ali.
Logo em seguida, a mulher assediada denunciou o médico ao conselho norte-americano. Quando abriu-se uma investigação, outros casos vieram a tona. Apesar de o caso com as duas pacientes terem sido consensuais, conforme relataram as mulheres, o ginecologista perdeu a licença de maneira definitiva, por não ser ético o que aconteceu dentro de um consultório médico.
No entanto, outras denúncias ajudaram para que Froechlich fosse afastado da função. Um homem o denunciou por ser o responsável pela morte da esposa. O ginecologista teria sido o profissional que receitou uma dieta agressiva, que acabou matando uma paciente.

 

FONTE: news365.com.br e Manchetes Brasil