Gleisi Hoffmann chora com partida de médicos cubanos, mas não comenta empregos dados a 8.500 médicos brasileiros