Invasão de terras será considerada Ato Criminoso no governo de Bolsonaro – News Atual
Connect with us

política

Invasão de terras será considerada Ato Criminoso no governo de Bolsonaro

Aquela pessoa que um dia se sentiu ou se sente injustiçada diante de uma propriedade alheia e acha que invadi-la e tomar posse da mesma é algo normal e pode chamar a atenção do governo com atos de vandalismos, a partir de janeiro de 2019 vai ter que pensar duas vezes antes de sair defendendo ideias de invasão como se isso fosse a atitude mais correta para reparar injustiças contra aqueles que são reconhecidos pela esquerda como “sem teto”.

 

O tema reforma agrária que a tantos anos vem se arrastando nos debates de muitas campanhas a novos governos e que já se tornou novela sem desfecho agora terá uma nova versão. A bandeira da reforma agrária está novamente sendo hasteada e deve gerar muitas novas discussões sobre o assunto das invasões defendida por alguns candidatos da esquerda.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

 

Dilma Rousseff que se beneficiou tanto do programa “Minha casa minha vida” ganhando muitos aplausos pelo país afora como se fosse a redentora dos menos favorecidos que não tinham onde morar, agora não está mais em cena e desta vez é Bolsonaro quem vai conduzir a carruagem com mãos de ferro.

 

Jair Bolsonaro segundo a “gazeta do povo” vai interferir no assunto de forma contundente e para isso já anunciou a criação de uma secretaria especial para tratar de assuntos fundiários a qual já tem Nabhan Garcia, presidente da União Democrática Ruralista (UDR). Como condutor escolhido da carruagem que a partir de agora deverá render mais alguns capítulos eletrizantes.

 

Isso porque o novo condutor promete dar um basta nas discussões com os invasores e agir diante de uma organização que segundo ele não tem sede própria e nem alguma inscrição oficial.

 

Com mais essa escolha de Bolsonaro o Brasil vai desenhando o novo cenário onde rostos bem diferentes e desconhecidos da população surgem com discursos novos em nome da ordem e do progresso que a nação precisa para o seu desenvolvimento sem aquela onda de vandalismo que nunca trouxe um desfecho surpreendente ou um último capitulo com cara de final feliz.

Compartilhe em Suas Redes Sociais