O plano da esquerda de assassinar Bolsonaro fracassou, mas o candidato ainda está em estado de alerta e sua segurança no hospital Albert Einstein foi reforçada. 

Sônia Racy, no Estadão, descreve o esquema:

“Quem precisa visitar algum parente internado na UTI do Einstein, na mesma ala restrita onde está Bolsonaro, tem que passar por inúmeros seguranças: da recepção à entrada no setor há uma lista de pessoas autorizadas para cada quarto.

Se o nome do visitante não estiver na lista, não passa. Na porta do quarto do candidato fica um agente da PF com cara de poucos amigos.”

Quando um homem honesto coloca em risco todos os planos do establishment, todo cuidado é pouco. 

Bolsonaro lidera as pesquisas e tem reais chances de levar no primeiro turno.

 

Via: PAPOTV

Compartilhe em Suas Redes Sociais