Jornalista pede demissão ao vivo após não poder fazer perguntas a Bolsonaro

Juremir Machado da Silva se sentiu ofendido por não poder fazer perguntas ao candidato do PSL.

O jornalista e professor da PUC-RS, Juremir Machado da Silva, se sentiu humilhado e ofendido e pediu demissão ao vivo após o término de uma entrevista com o candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) na Rádio Guaíba de Porto Alegre. Bolsonaro havia comentado que iria dar entrevista apenas ao apresentador do programa, Rogério Mendelski e, por essa razão, os outros integrantes do “Bom Dia” não puderam se manifestar ou questionar qualquer tipo de assunto na entrevista.

Juremir e outro jornalista, Voltaire Porto, estavam atentos acompanhando a entrevista, mas mantendo um profundo silêncio. O comandante do programa afirmou que Bolsonaro não sabia da presença deles no estúdio durante a entrevista, embora ele tenha pedido que as perguntas viessem apenas do apresentador, declarou Mendelski.

Após as declarações finais do candidato do PSL, Juremir questionou Mendelski perguntando se Bolsonaro não teria os censurado por não ter aberto espaço para suas perguntas. O apresentador do programa disse que não há censura nisso, já que, antes da entrevista, o candidato havia falado que só falaria com ele.

Juremir ficou nervoso e se levantou da cadeira. “Eu achei humilhante e, por isso, estou saindo do programa”, disse o professor da PUC. Antes de sair do estúdio, falou que foi muito bom o tempo em que passou junto com os seus colegas de trabalho, no caso, 10 anos. No vídeo a seguir, o fato ocorre às 2 horas e 49 minutos de programa.

Entrevista de Bolsonaro
O candidato do PSL agradeceu a oportunidade de estar no programa e recebeu a primeira pergunta. O apresentador queria saber o que ele achava das palavras do deputado Paulo Pimenta (PT) que o chamou de “anti-cristo”.

Bolsonaro riu e falou que quem jogou a Bíblia no lixo foi o candidato do PT, Fernando Haddad, em Fortaleza. Esse episódio havia sido negado por Haddad que afirmou ter ganho a Bíblia, mas roubaram dele no local.

O capitão criticou Haddad e disse que o petista comete enganação ao ir numa missa receber hóstia. O candidato do PSL também falou que os petistas vivem elogiando Nicolas Maduro, presidente da Venezuela, o que, segundo ele, é lamentável, já que o Maduro tem destruído o país e causado fome.

FHC
Bolsonaro foi questionado sobre as críticas feitas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso contra sua pessoa. Ele falou que a cúpula do PSDB e o PT são a mesma coisa. O candidato falou que ele se destaca por causa disso, por não depender de nenhum desses partidos.

Via: Blastingnews

Compartilhe em Suas Redes Sociais