Juíza defende o direito de “gravar” aulas