Lava Jato ‘corre’ para investigar Alckmin enquanto tucano está sem foro

Presidenciável pelo PSDB está sem foro privilegiado desde que entregou cargo de governador de São Paulo.

Para poder disputar o pleito presidencial pelo PSDB em outubro, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, teve que entregar o cargo, na última sexta-feira (6), como determina a lei eleitoral. Com isso, perdeu o foro privilegiado. O tucano foi acusado por delatores da Odebrecht de ter recebido R$ 10 milhões em caixa dois para suas campanhas.

 

Aproveitando que o ‘santo’, como era identificado nas planilhas de propina da empreiteira, está sem foro, a Lava Jato solicitou ao vice-procurador da República que encaminhe as investigações contra Alckmin do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a primeira instância, em São Paulo.

 

Segundo os delatores da Odebrecht, as propinas para Geraldo Alckmin foram pagas em 2010 e 2014. Três ex-executivos da empreiteira contaram a mesma história sobre o desvio ao ex-governador de São Paulo. Em novembro do ano passado, o STJ resolveu abrir um inquérito para investigar o caso.

A Lava Jato argumenta que o caso deve passar para a primeira instância para dar celeridade, já que o ex-governador não tem mais a prerrogativa do foro. O medo dos procuradores é que em instâncias superiores os casos acabem ficando impunes devido a demora e prescrição das acusações.

Via: blastingnews