Lula mostra ‘desespero’ e surpreende ao tentar uma última cartada

Gostou? Compartilhe!

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenta um último recurso antes da data de julgamento que pode selar seu futuro no TRF4 de Porto Alegre.

A situação do ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, torna-se dramática dia após dia, com a proximidade de seu julgamento na Corte de Apelação ou Tribunal de segunda instância. O destino político e também a situação criminal do ex-presidente deverá ser decidido no próximo dia 24 de janeiro, no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), sediado em Porto alegre, no estado do Rio Grande do Sul.

 

A Corte dará a resposta a respeito de uma provável condenação ou absolvição do petista, ao fazer análise minuciosa, através dos votos de três desembargadores federais, da sentença proferida em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, magistrado titular da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, capital do estado do Paraná.

Moro é o responsável pela condução das investigações inerentes à força-tarefa da Operação Lava Jato, da Polícia Federal e determinou que Lula fosse condenado a mais de nove anos e meio de prisão, pela prática de crimes relacionados a “colarinho branco”, em se tratando de Corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em processo que envolve a obtenção de um imóvel luxuoso na cidade de Guarujá, litoral sul do estado de São Paulo.

 

Cartada decisiva no Tribunal da segunda instância
Restando tão somente cerca de três semanas para o julgamento do caso de condenação do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4); o Tribunal da segunda instância, o petista, que se tornou réu e condenado no âmbito da Operação Lava Jato, tenta uma última cartada, antes da data de julgamento de seu processo em Porto Alegre.

Nesta quarta-feira (03), através de seus advogados de defesa, Lula solicitou que fosse interrogado novamente, em relação ao processo que envolve a aquisição do apartamento de luxo tríplex.

Lula pode ser preso
Se Lula sofrer um revés no julgamento no julgamento do próximo dia 24 de janeiro, poderá se tornar inelegível e ver suas pretensões de se candidatar à Presidência da República irem por “água abaixo”. Além disso, o petista poderá ser, inclusive, preso, conforme determinado na sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro. A solicitação da defesa de Lula trata-se de um pedido reiterado, já feito no dia 11 de setembro, ao desembargador relator da Lava Jato na segunda instância, João Pedro Gebran Neto. Porém, o desembargador não possui um prazo determinado para que possa dar uma resposta à solicitação da defesa de Lula.

 

A argumentação dos defensores do petista, é que ele teria tido seu direito de defesa violado ao se tornar alvo de uma “verdadeira inquisição” durante a realização do interrogatório feito no mês de maio do ano passado, ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba.

Ainda, de acordo com a defesa do ex-mandatário, o juiz Sérgio Moro teria atuado, de modo que teria se comportado como acusador do petista, ao “cortar suas manifestações e impedi-lo livremente de se manifestar”.

O ex-presidente Lula também pretende comparecer à Porto Alegre, para seu julgamento e a defesa, teria, inclusive, solicitado ao Tribunal que Lula fosse ouvido durante o julgamento, mas o Tribunal ainda não se manifestou sobre essa solicitação.

 

Via: blastingnews


Gostou? Compartilhe!