Marcelo Odebrecht revela a Moro que tinha funcionário responsável por propina desde 1990

Ex-presidente da Odebrecht esteve em um depoimento com o juiz da Lava Jato nesta segunda-feira (06).

O ex-presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, concedeu um depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, nesta segunda-feira (06), e afirmou que a empresa mantinha um funcionário responsável por todos os repasses de propina desde 1990.

Porém, o departamento de Operações Estruturadas foi criado em 2005 por Hilberto Mascarenhas, que estava na empresa apenas com o intuito de trabalhar nesse esquema de corrupção.

O funcionário foi colocado lá pelo próprio Marcelo.

A ideia do departamento surgiu de Hilberto, que achou mais propício armar um esquema de propina sem envolver o comando da construtora.

De acordo com as informações de Odebrecht, em 1980, os pagamentos que não eram contabilizados eram acoplados com os projetos da construtora.

Como aquilo poderia causar um risco à contabilidade como um todo, decidiu-se, em 1990, que doleiros fossem os responsáveis por essa ação na empresa. Eles se responsabilizariam pelos pagamentos não contabilizados e uma pessoa seria a responsável pelo repasse das propinas.

Segundo o ex-presidente da empresa, Hilberto foi contratado em 2005. A única diferença foi que ele sugeriu a criação desse departamento.

Porém, surgiram alguns equívocos.

Hilberto começou a fazer alguns controles e sistemas que ninguém na empresa sabia e contas e pagamentos foram abertas, o que era para ser uma ação apenas de doleiros.

No depoimento ao magistrado da Lava Jato, Marcelo afirmou que não era para Hilberto saber para quem ele fornecia a propina. “Ele sabia muito mais do que deveria saber”, declarou o empresário.

Pagamentos ao casal de marqueteiros do PT
Marcelo Odebrecht prestou depoimento a Moro relativo a 26ª fase da Operação Lava Jato, que investiga esquemas de gerenciamento de propina onde foram efetuados pagamentos aos marqueteiros João Santana e Mônica Moura. O casal foi responsável pela campanha presidencial de Dilma Rousseff nos anos de 2010 e 2014. Além disso, participaram de outras campanhas do PT e de aliados do partido até mesmo fora do Brasil.

“Planilha italiano”
Em depoimento também nesta segunda-feira (06), Hilberto Mascarenhas comentou que a propina repassada pela Odebrecht ao casal de publicitários era debitada na “planilha italiano”, que se refere ao ex-ministro Antonio Palocci.

Segundo ele, todos os pagamentos eram feitos pelo departamento para que houvesse um controle melhor de tudo o que era repassado.

Hilberto afirmou que apenas repassava o dinheiro. Todos os trâmites eram acordados com Marcelo Odebrecht.

Uma das divergências nos depoimentos, é que Hilberto falou que Marcelo pediu para se criar esse departamento de propina dentro da empresa, diferentemente do depoimento prestado por empresário.

Via: blastingnews

Compartilhe em Suas Redes Sociais