O “renascimento de Bolsonaro” e o “suicídio da esquerda”

A tentativa desesperada de “tirar de cena” o presidenciável Jair Bolsonaro, no último 6 de setembro, para azar dos envolvidos no atentado, acabou revertendo a favor do próprio Bolsonaro.

Basta ver que o apoio dos brasileiros de bem a esse candidato aumentou consideravelmente. Muitos que nem iriam votar e mesmo os indecisos, depois da violência que o país inteiro testemunhou, estão decididos a dar o seu voto a ele.

E tudo porque repudiaram, veementemente, a armação criminosa, abusiva e covarde, planejada por “mentes obscuras”, de atentar contra a vida desse homem, para satisfazer a pretensão de comandar este país “nos moldes estapafúrdios da esquerda”.

No seu desespero, essa gente nem percebe que atos extremos e hediondos, como esse, só revelam o medo de “perder o controle do poder”. Esse “poder arrebatador” do qual cada político esquerdista é insanamente dependente.

Sem mencionar o pavor de ficar frente a frente com a “derrota”, que, para eles, é como “facada dolorosa e fatal no abdômen”.

Daí, a sua forma infame e imperdoável de ser e agir, enquanto cultivam uma “desvairada idolatria”, repleta de bestialidade. Primarismo. Prepotência. Ilusão. Deslealdade. Ódio. Covardia. Perversidade.

Em meio a esse “caos mental”, – que pode ser visto como “suicídio moral”, – Bolsonaro renasceu

 

Via: JORNAL DA CIDADE ONLINE

Compartilhe em Suas Redes Sociais