O “renascimento de Bolsonaro” e o “suicídio da esquerda”