Os tucanos e a ordem pra derrubar João Doria

O alto comando do PSDB, leia-se FHC, Aécio, Serra e Alckmin anda com um pé atras com o prefeito de São Paulo, João Doria, a quem atribuem movimentos visando se credenciar como candidato à Presidência da República em 2018.

João Doria jura de pés juntos que nem pensa em se candidatar a presidente, mas ninguém acredita nele. Em condições normais de temperatura e pressão, o prefeito paulistano não daria nem pra saída numa disputa interna com Aécio, Serra ou Alckmin pela vaga de candidato tucano à sucessão de Temer.

O que vem pela frente é a delação da Odebrecht que vai atingir mortalmente Aécio e Serra, e no mínimo, fará um grande estrago nas pretensões do governador paulista Geraldo Alckmin. Outro que poderia entrar na disputa é o governador de Goiás, Marconi Perillo. Porém também está encrencado, acaba de ser indiciado por um esquema com a Delta.

E FHC, como alguns cogitariam? Bem, no próximo ano Fernando Henrique estará completando 87 anos. Assim, se João Doria fizer o dever de casa como prefeito de São Paulo pode ser a opção do PSDB. Só o tempo o dirá.

O que existe mesmo de concreto até agora é a notória articulação dentro do próprio PSDB para barrar de todas as formas o avanço de João Doria que atua de forma independente. O empresário não vive de política e não precisa de apoio de partidos para sua campanha. Isso deixa o ninho tucano em alerta.

Em São Paulo a opinião pública é quase unânime: João Doria é o melhor nome dentro do PSDB.

Créditos juntospelobrasil.com.br