Presidente do TRF4 faz relatos de estar sofrendo fortes ‘ameaças’

Presidente do TRF4, Carlos Eduardo Thompson Flores, se manifestou sobre riscos, restando poucos dias para julgamento de Lula.
O presidente do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, foi contundente em relação à situação enfrentada pelo Tribunal de segunda instância, ou conforme é denominada, ‘Corte de Apelação’, em se tratando do julgamento do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. O ex-mandatário petista enfrentará um julgamento que será tema de análise por parte de três desembargadores federais, no próximo dia 24 de janeiro, em Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul.

Vale ressaltar que Lula foi condenado a mais de nove anos e meio de prisão em regime fechado, além de multas, com base em processo relacionado à aquisição de um apartamento de alto padrão, na cidade de Guarujá, região litorânea do estado de São Paulo.

De acordo com sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro em primeira instância, as acusações contra Lula pesam no âmbito das investigações da força-tarefa da Operação Lava Jato, que é considerada a maior operação anticorrupção em toda a história contemporânea do país, além de já ser vista como uma das maiores operações em todo o mundo.

 

Relatos da ocorrência de ameaças e forte preocupação
Durante encontro realizado entre o presidente do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4), Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz e congressistas ligados ao Partido dos Trabalhadores, nesta sexta-feira (12), na capital gaúcha, houve uma forte preocupação por parte do Tribunal de segunda instância em relação à ameaças provenientes de grupos considerados radicais, apoiadores do ex-presidente Lula e de movimentos esquerdistas.

Há também riscos de que o dia 24 de janeiro possa se transformar em um ‘palco’ de conflitos, com uma eventual confirmação da sentença de condenação de Moro à Lula, por crimes de lavagem de dinheiro e Corrupção passiva.

 

Thompson Flores foi enfático ao se dirigir aos congressistas petistas presentes na reunião, informando-lhes que já relatou toda preocupação à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia e também à procuradora-geral da República, Raquel Dodge. De acordo com o desembargador que preside o Tribunal de segunda instância, têm ocorrido pressões de todos os lados, em se tratando de manifestações e opiniões dadas intensamente nas redes sociais.

 

Já em relação às supostas ameaças, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz disse que alguns juízes gaúchos estariam recebendo ameaças e que alguns, inclusive, já tiraram suas famílias do Estado. Uma das ameaças relatadas por Thompson Flores se refere ao caso de uma pessoa do estado do Mato Grosso do Sul, em que o mesmo teria ameaçado atacar fisicamente a sede do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4).

 

Via: blastingnews