Procuradores da Lava Jato falam em deixar investigações caso Raquel Dodge assuma chefia do MPF

É meus amigos eleitor – Parece que aquela reunião fora da agenda oficial que o presidente Michel Temer fez com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes um dia antes de escolher a subprocuradora Raquel Dodge para ocupara a cadeira do Procurador-geral da República Rodrigo Janot começou dar resultado. Segundo notícias, alguns procuradores que compõem à frente da força-tarefa da Lava Jato na PGR estão dizendo que vão deixar seus cargos na Lava Jato caso Raquel Dodge seja confirmada no Senado como chefe do Ministério Público Federal (MPF).

 

O fato meus amigos, é que os procuradores estão suspeitando que a indicação de Raquel para o lugar de Janot, tem uma forte tentativa de Temer e Gilmar Mendes em sufocar a Lava Jato pelo lado de dentro. Tanto que alguns procuradores que já trabalharam com Raquel, estão dizendo que não gostaram do que ela qualifica como estilo centralizador. Ou seja. Nenhum vê nela coragem e ímpeto para comprar as brigas que o atual procurador-geral comprou ao longo da operação, o que eu descordo.

A realidade, é que está notícia é muito grave meus amigos, principalmente pela acusação que os procuradores estão dizendo que há uma armadilha já trabalhada pelo presidente Temer para rachar a Lava Jato. Na PGR, atribui-se ao ministro Gilmar Mendes toda a estratégia de dividir os procuradores com controversa nomeação de Raquel Dodge. Para os procuradores, Mendes sabe que a nomeação de Raquel traria uma certa reação contrária dentro da PGR, principalmente para atrapalhar o sucesso da frente de investigação contra o próprio Michel Temer.

Infelizmente meus amigos, isso séria uma consequência péssima para o Brasil caso os procuradores abandone Lava Jato, perdendo investigações sigilosas em andamento e a perda da memória dos casos já em estágio avançado. A derrota para Lava Jato em Brasília seria imensa. Todos perderiam – menos os que desejam, é claro, exatamente esse desmonte repentino.
(Conteúdo – Época)(eleitor News)