Requião deixou rombo de R$ 9 bilhões na Previdência

O senador Roberto Requião (PMDB) jacta-se da sua eficiência administrativa, mas parece esconder o jogo. Seus adversários no jogo interno peemedebista divulgaram hoje que Requião deixou um rombo de R$ 9 bilhões na previdência estadual que causa impacto neste e nos próximos governos. Em seu primeiro governo, em 1993, Requião extinguiu o fundo capitalizado do Estado e utilizou os recursos previdenciários existentes para outros fins.

Em 1998, Jaime Lerner criou novamente um fundo capitalizado com vistas ao equilíbrio futuro da previdência estadual, mas em 2010, Requião entregou o governo do estado com o fundo capitalizado contabilizando um desequilíbrio de R$ 9 bilhões: R$ 5,5 bilhões em haveres atuariais e R$ 3,5 bilhões em déficit atuarial.
Em 2012, o governo Beto Richa reequilibrou todo o sistema previdenciário e promoveu o equilíbrio atuarial do fundo capitalizado (a lei 17.435) cumprindo determinações do Ministério da Previdência Social e do Tribunal de Contas.

Há dois fatos importantes sobre a previdência dos servidores estaduais. 1°- Em 21/12/1992, publicada no Diário Oficial do Estado, a lei 10.219 criou o regime jurídico único no estado. Todos os servidores celetistas foram transferidos ao regime estatutário.

Seu artigo 70, diz assim: “Os atuais servidores da administração direta e das autarquias,