Sérgio Moro interroga Gilberto Gil em ação da Lava Jato que investiga o ex-presidente Lula

O ex-ministro do governo Lula presta depoimento no caso do sítio de Atibaia e afirma desconhecer qualquer ato ilícito do ex-presidente

O cantor Gilberto Gil, testemunha de defesa do ex-presidente Lula, foi interrogado pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos de Operação Lava Jato, nesta quinta-feira (9). O depoimento foi feito por videoconferência, em audiência que trata sobre o sítio de Atibaia, no interior de São Paulo.

Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de ter recebido benfeitorias no sítio como parte de um esquema de corrupção. No entanto, Lula nega ser proprietário do imóvel.

Gilberto Gil foi ministro da Cultura de Lula e é um fiel defensor do ex-presidente, preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, desde abril pela Lava Jato.

O artista afirmou que nunca viu nenhum ato ilícito do ex-chefe no tempo em que esteve à frente do Ministério da Cultura, portanto, ao lado de Lula.

Em seu depoimento, Gilberto Gil afirmou que foi ministro da Cultura do governo Lula entre janeiro de 2003 e julho de 2008 e que desconhece qualquer ato que desabone o ex-presidente. O músico ainda disse que mantinha contato direto com Lula, pois participava de reuniões, audiências e despachos. Gil disse que era praxe de Lula convocar todos os ministros para reuniões.

Questionado por Sérgio Moro sobre se conhecia as atividades ilícitas de José Dirceu e Antonio Palocci, Gilberto Gil disse desconhecer qualquer ato ou esquema de corrupção praticado pelos dois. Também negou conhecer os atos do marqueteiro João Santana, que atuou nas campanhas vitoriosas do PT nas Eleições para presidente da República, e que, após investigação, foi condenado pela Operação Lava Jato pelo crime de corrupção.

A ação do sítio de Atibaia
Nesta ação, o ex-presidente Lula é acusado de ter sido beneficiado com obras de melhoria no sítio de Atibaia que somam R$ 1,02 milhão e foram executadas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS. O imóvel está registrado no nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar, entretanto, os agentes públicos que atuam na Lava-Jato afirmam que Lula é o verdadeiro proprietário do bem.

O ex-presidente nega todas as acusações e alega ter frequentado o sítio com a família a convite do proprietário do imóvel e amigo particular, Fernando Bittar.

Nesta ação, alguns ex-ministros de Lula já foram arrolados pela defesa do líder petista, além de autoridades ocupantes de cargos em importantes órgãos de controle na época do governo de Lula.

A defesa de Lula rechaça a tese de acusação de que o ex-presidente liderou o esquema de corrupção em seu governo com volumosos desvios de recursos oriundos da Petrobrás.

O cantor Gilberto Gil respondeu a todas as perguntas feitas pelo juiz Sérgio Moro, neste que é um dos três processos em que o ex-presidente é réu na Operação Laja Jato. Lula já foi condenado pelo caso do tríplex do Guarujá por 12 anos e 1 mês de prisão, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Via: blastingnews