Sergio Moro manda prender três ex-executivos de empresa investigada na Lava Jato

Juiz federal autorizou início de cumprimento da pena dos três ex-executivos, todos sentenciados por corrupção, associação criminosa e lavagem

O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância, mandou prender três ex-executivos da empreiteira Mendes Júnior nesta segunda-feira (13). Moro autorizou o início do cumprimento da pena dos acusados depois de encerrarem todos os recursos no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4),  em segunda instância na Justiça Federal.

Com a decisão de Sergio Moro, devem ser presos o ex-vice-presidente da empreiteira Sérgio Mendes Júnior (condenado a 27 anos e dois meses de prisão), o ex-diretor de Óleo e Gás Rogério Cunha Pereira (recebeu pena de 18 anos e nove meses), e o também ex-diretor de Óleo e Gás Alberto Elísio Vilaça Gomes (condenado a 11 anos e seis meses).

Todos foram condenados pelos crimes de corrupção e associação criminosa, sendo que Sérgio e Rogério também foram sentenciados por crime de lavagem de dinheiro.

O juiz deu 24 horas para que os acusados da empreiteira Mendes Júnior se entreguem à Polícia Federal. Eles ficarão presos no Complexo Médico-Penal em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba.

“Autorizo, para facilitar o cumprimento, que a autoridade policial conceda aos presos o prazo de 24 horas para se apresentarem voluntariamente, desde que apresentado compromisso expresso e por escrito subscrito pelo condenado e também pelo defensor. A decisão de conceder ou não o prazo fica submetida à discricionariedade da autoridade policial”, decidiu.

Segundo aponta a decisão de Sergio Moro, houve pagamento de propinas pela empreiteira de mais de R$ 31,4 milhões em contratos da Petrobras para a Diretoria de Abastecimento da Petrobras – junto ao ex-diretor de Abastecimento da estatal, Paulo Roberto Costa, além de Alberto Youssef, ambos delatores do esquema de corrupção da Petrobras. Os valores foram objeto de ocultação e dissimulação por meio de lavagem de dinheiro de Youssef, condenado na mesma ação.  

*Com informações da Agência Brasil 

Compartilhe em Suas Redes Sociais

Fonte: IG Política