Terrorista que atentou contra Bolsonaro custará mais de R$ 15 mil por mês do dinheiro do povo

O presidenciável líder nas pesquisas ainda estava entre a vida e a morte quando a revista Piauí, de extrema-esquerda, divulgou uma matéria informado o quanto o médico do SUS receberia por ter salvo a vida do candidato.

A reportagem tentou destacar que o valor recebido pelos médios que o atenderam, e gasto pelo Estado, foi pequeno por ter salvo a vida do candidato. No entanto, ela não explica que o SUS pede ressarcimento de pessoas atendidas, quando elas possuem plano de saúde. Na reportagem, há apenas a informação de que o hospital será remunerado em 1.090 reais e 80 centavos e que os médicos que salvaram a vida de Bolsonaro, só receberiam R$ 367,00 divididos entre eles.

Entretanto, ela também não menciona que os médicos do SUS recebem um salário fixo por mês. A Fenam (Federação Nacional dos Médicos), anualmente reajusta um piso salarial que considera adequado, baseado em pesquisas por todo o país. A última está no valor de R$ 11.675,94 para 20 horas semanais de trabalho.

Como todas as matérias de revistas da grande mídia, todas de extrema esquerda, o objetivo era atacar Bolsonaro, dizendo que os profissionais que salvaram sua vida são mal remunerados, o que não é verdade se analisarmos de forma mais transparente e comparado com a média do salário dos brasileiros.

Um ponto que a esquerda não tocou, que nunca tocará, é no valor gasto pelo Estado para manter um preso em um presídio.

Como se sabe, o terrorista que tentou assassinar Bolsonaro a facada, foi transferido para um presídio federal de segurança máxima em Campo Grande.

Com uma pesquisa rápida na internet, encontramos um artigo do Jornal O Globo. Nele, há a informação de que o preso no sistema federal de segurança máxima custa R$ 15.851,56 por mês, segundo estudo do Ministério da Justiça produzido em 2015 com dados do primeiro semestre de 2014.

Ou seja, o terrorista esquerdista que tentou matar Bolsonaro, custará mais de R$ 15 mil por mês de dinheiro do povo.

Em muitos países, este criminoso teria que trabalhar durante a detenção para pagar estes custos.

Em outros, ele simplesmente receberia pena de morte por tentar assassinar um futuro presidente da República.

Assim trabalha a grande mídia. Ela joga você contra a vítima, apontando que o profissional que a salvou recebe pouco, mas sempre omite que na verdade, é o criminoso que custa caro em nosso pais.

Fonte: PAPOTV

Compartilhe em Suas Redes Sociais