Um perito e um delegado da Polícia Federal mortos em menos de 72 horas

A situação chama atenção pelas circunstâncias que os fatos aconteceram
A Polícia Federal tem feito o que muitos brasileiros desejam: a faxina geral na política. A atitude da mais renomada instituição em funcionamento no Brasil tem provocado a ira de muita gente grande.

Alvo de incursões políticas que tentam desestabilizar o efetivo e assim esmorecer o trabalho desemprenhado tanto na Lava Jato quanto em outras frentes ligadas ao crime organizado, a Polícia Federal tem resistido o quanto pode. Mas nem tudo acaba bem.

Menos de três dias dois policiais federais foram mortos em atitude suspeita.

O perito da Polícia Federal Stefenson Marcus, de 41 anos, morreu após ingerir uma substância tóxica, ainda não identificada, acreditando se tratar de cerveja. O fato aconteceu no fim de semana em Brasília e está sendo investigado.

Nesta quarta-feira (31) chega a notícia de que o delegado da Polícia Federal designado para investigar a morte do ministro do STF, Teori Zavascki, Adriano Antonio Soares estava com outro colega, Elias Escobar quando teriam sido mortos após um desentendimento em uma casa noturna. As informações são “Zero Hora”.

Duas mortes suspeitas

Duas mortes em menos de 72 horas envolvendo profissionais ligados a Polícia Federal é algo muito estranho e suspeito em meio ao cenário de prisões e investigações de gente grande ligada ao crime organizado.

PF ainda é a salva guarda dos brasileiros

A Polícia Federal ainda é uma das poucas instituições dentro da democracia brasileira que sustenta a confiança da população devido a sua atuação.
Via juntospelobrasil.com