Connect with us

Política

Decisão de Zanin Anula Reconhecimento de Vínculo entre Entregadores e Aplicativo

Avatar of Alteni

Published

on

Decisão de Zanin Anula Reconhecimento de Vínculo entre Entregadores e Aplicativo
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Anulação por Zanin de Vínculo Trabalhista: Um Novo Cenário para Entregadores de Aplicativos

Em uma decisão emblemática, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin, reverteu um entendimento previamente estabelecido pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). O caso, envolvendo a Rappi Brasil, questionava o vínculo empregatício entre um entregador e a empresa. Zanin, ao julgar a ação, declarou nula a decisão do TST que reconhecia esse vínculo, alegando uma contradição com a jurisprudência do STF.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Zanin, a determinação do TST desconsiderou aspectos jurídicos fundamentais, incluindo os precedentes do STF. Estes enfatizam a liberdade econômica e a organização das atividades produtivas. “Ao reconhecer o vínculo de emprego, a Justiça do Trabalho desconsiderou os aspectos jurídicos relacionados à questão, em especial os precedentes do Supremo Tribunal Federal que consagram a liberdade econômica e de organização das atividades produtivas”, explicou Zanin em um trecho da decisão.

A decisão de Zanin também se fundamenta nos princípios constitucionais da livre iniciativa e da livre concorrência. O ministro enfatizou que, segundo o entendimento do STF, é admissível a terceirização de qualquer atividade econômica, desfazendo a distinção estabelecida entre atividade-fim e atividade-meio pela jurisprudência trabalhista.

Esta decisão não é um evento isolado no STF. Anteriormente, em maio e junho do mesmo ano, o ministro Alexandre de Moraes derrubou outras decisões que reconheciam vínculo empregatício entre motoristas e aplicativos. Moraes defendeu que a relação entre motoristas e empresas é de natureza comercial, semelhante à dos transportadores autônomos. Similarmente, no final de setembro, o ministro Luiz Fux cassou decisões trabalhistas que reconheciam vínculo empregatício entre motoristas e a plataforma Cabify.

Em outros casos, o STF optou por remeter as ações para a justiça comum, interpretando-as como relações comerciais e não trabalhistas. Essa abordagem foi reforçada em outubro, durante uma sessão da 2ª Turma do STF, quando o ministro Gilmar Mendes criticou a atuação da Justiça do Trabalho em relação ao reconhecimento de vínculos empregatícios. Mendes observou que as decisões dos juízes trabalhistas muitas vezes são desvinculadas da realidade do mercado de trabalho e da jurisprudência da Corte.

A presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luciana Conforti, expressou preocupação com essas decisões em série do STF, apontando para um impacto significativo na Justiça do Trabalho, cuja competência e função social são definidas pela Constituição. A declaração de Conforti ressalta o desafio enfrentado pela Justiça do Trabalho diante da crescente tendência de flexibilização das relações trabalhistas no país.

Você também pode gostar: Discurso Forte: Nikolas Ferreira Desmascara Flávio Dino na Câmara ao Vivo! Assista!

📢 RECEBA NOTÍCIAS EM PRIMEIRA MÃO DIRETAMENTE NO SEU WHATSAPP. 🚀 SEJA PARTE DO NOSSO CANAL EXCLUSIVO HOJE MESMO, E ADIVINHE, É 100% GRÁTIS! CLIQUE AQUI E NOS SIGA

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao usar nossos serviços você concorda com as nossas políticas de privacidade.