Connect with us

Política

STF: Moraes mantém ‘prisão ilegal’ de manifestantes, contrariando PGR

Avatar of Alteni

Published

on

Moraes mantém 'prisão ilegal' de manifestantes, contrariando PGR
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Decisão de Moraes contraria parecer da PGR pela liberdade de manifestantes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve na cadeia seis manifestantes presos em Brasília, mesmo com o parecer favorável da Procuradoria-Geral da República (PGR) pela liberdade dos acusados. Os habeas corpus ajuizados pela Defensoria Pública da União (DPU) em favor dos detidos também foram ignorados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os manifestantes foram presos em 9 de janeiro em frente ao Quartel do Exército, em Brasília, após os atos registrados em 8 de janeiro, quando os prédios da Praça dos Três Poderes foram invadidos e depredados. Eles foram acusados de incitação ao crime contra os Poderes constitucionais e associação criminosa, cujas penas máximas, somadas, chegam a três anos e meio.

A Defensoria Pública afirma que a prisão preventiva dos manifestantes foi decretada de ofício, ou seja, sem o pedido do órgão responsável pela ação penal, que no caso é o Ministério Público Federal (MPF). Conforme o Código de Processo Penal (CPP), um juiz não pode decretar preventiva de ofício, mas somente a pedido do órgão acusador (o Ministério Público).

Você também pode Gostar: Crise na TV Globo: emissora demite diretor artístico do Fantástico e outros profissionais renomados

Além disso, a Defensoria alega que a manutenção da prisão preventiva decretada de ofício viola os critérios previstos no CPP para manter a prisão, como a vida pregressa dos acusados e a gravidade do crime, que se afere pelo tamanho da pena — a pena prevista deve ser superior a quatro anos. Nesses seis casos, todos os réus são primários, e, se condenados, a pena máxima será pouco superior a três anos.

Apesar do parecer favorável da PGR e da denúncia de ilegalidade da prisão pela Defensoria Pública, Moraes manteve as prisões, alegando que os manifestantes representam ameaça, por eventuais publicações nas redes sociais. Segundo o ministro, eles usaram as redes para divulgar ou enaltecer as manifestações das quais participaram em Brasília.

A decisão do ministro do STF gerou críticas e questionamentos sobre a legalidade da prisão preventiva decretada de ofício e da manutenção da detenção dos manifestantes, os quais são considerados primários e cujas penas máximas, somadas, não ultrapassam três anos e meio.

Confira também notícias no nosso canal no Telegram, clicando aqui.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao usar nossos serviços você concorda com as nossas políticas de privacidade.