Connect with us

Política

Nunes Marques vota para manter decretos de Bolsonaro sobre armas: ‘Direito de defesa’

Avatar of Alteni

Published

on

Nunes Marques vota para manter decretos de Bolsonaro sobre armas: 'Direito de defesa'
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Justificativa do Voto: Direito de Defesa em Primeiro Plano

O Ministro Nunes Marques, integrante do Supremo Tribunal Federal (STF), emitiu um voto contrário a um conjunto de 12 ações, encaminhadas entre os anos de 2019 e 2021 por partidos políticos de esquerda. Essas ações buscavam contestar uma série de decretos emitidos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro, cuja consequência foi facilitar o acesso da população às armas de fogo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O cerne da argumentação do Ministro Nunes Marques para o seu voto encontra-se na legislação brasileira, mais especificamente no direito de defesa, um preceito garantido a todos os cidadãos. Ele apresentou como evidência uma série de estudos que demonstram que, mesmo com o aumento expressivo no número de armas de fogo decorrente dos decretos emitidos por Bolsonaro, houve uma diminuição no número de mortes violentas no país.

Você também pode Gostar: TSE Mantém Multa a Bolsonaro por Afirmar que Lula Apoia o Aborto

O Julgamento em Pauta e a Posição de Nunes Marques

As ações referidas, cujos relatores são os ministros Edson Fachin e Rosa Weber, ingressaram na sexta-feira, 23, na pauta de julgamento do plenário virtual do STF. A votação se estenderá até a sexta-feira subsequente, 30 de junho. Contudo, Nunes Marques optou por uma postura divergente em relação aos relatores nos dois conjuntos de ações.

As nove ações sob relatoria de Rosa questionam decretos que modificaram pontos específicos do Estatuto do Desarmamento. Já as três ações nas mãos de Fachin contestam a norma que flexibilizou a posse, a compra e o porte de armas; a resolução que anulou os impostos para a importação de revólveres; e o aumento da quantidade máxima de munição que pode ser adquirida por instituições e pessoas autorizadas a portar armas.

O Direito de Defesa: Pilar da Argumentação de Nunes Marques

Em termos processuais, Nunes Marques alegou que as ações perderam o objeto, considerando que a maioria dos sete decretos de Bolsonaro já foi revogada. Ao assumir o governo em janeiro deste ano, o presidente Lula revogou praticamente toda a regulamentação que permitia que colecionadores, atiradores e caçadores (CACs) pudessem adquirir armas.

No cerne da questão, Nunes Marques citou notáveis defensores do direito à autodefesa, como Marco Túlio Cícero, Montesquieu e Thomas Jefferson, patrono da Independência dos EUA, que teria afirmado que “nenhum homem livre será impedido de usar armas”. Segundo o ministro, de 200 países no mundo, 168 permitem a posse de armas de fogo, exigindo, claro, o devido registro. Portanto, tais nações reconhecem “um direito à autodefesa enquanto meio de proteção do direito natural à vida”.

Leia também: Zanin, o ministro do STF que chegou ao topo sem mestrado nem doutorado

Receba notícias exclusivas no nosso grupo do WhatsApp! Clique aqui para entrar.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao usar nossos serviços você concorda com as nossas políticas de privacidade.