Connect with us

Política

OACB por meio de juristas protocolam pedido a Bolsonaro para implementação da Garantia da Lei da Ordem

OACB - Foto Reprodução do Twitter

O caos no Brasil pode estar com os dias contados e a iniciativa está vindo por meio de juristas da OACB (Ordem de Advogados Conservadores do Brasil). Os juristas acabaram de protocolar um pedido ao atual Presidente para implementar a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), com base no artigo 142 da Constituição Federal. 

Vale frisar que o objetivo é que seja comprovada a votação ao cargo de Presidente da República no 2.º turno das eleições de 2022. Dessa forma, o documento da OACB destaca o relatório das Forças Armadas sobre as famigeradas eleições de 2022, e destaca que “as condições normais de uso das urnas eletrônicas que foram testadas não permitem afirmar que o Sistema eletrônico de Votação não está isento da influência de um eventual código malicioso que possa alterar o seu funcionamento”. 

Você pode gostar: STF: Saiba qual Banco investigado na Lava-Jato pagou jantar de luxo para os ministros 

OACB destaca o que pode ocorrer em caso de não comprovação do resultado das eleições 

Vale frisar também que a OACB citou ainda em relação ao relatório das Forças Armadas que em caso de não conseguirem comprovar o resultado das eleições, é preciso ser determinada uma investigação no Código Fonte, para poder ser feita a apuração real da votação. Dessa forma, revelando se a mesma votação coincide com o divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou não. 

O documento da OACB propõe, que se não houver como saber a real votação, precisa ser determinada uma nova votação. Contudo, de forma auditável e referente ao pleito de Presidente da República no 2° turno de votação. Além disso, cita como embasamento o artigo 59-A, em que determina que “O VOTO DEVE SER IMPRESSO”, de acordo com “o texto legal incluído em 2015”, e que o STF usou de “interferência” para impedir a “eficácia”. 

Confira: Paulo Figueiredo manda recado para caminhoneiros em relação à greve: “Tenham sabedoria”

“Ocorre que, A LEI DAS ELEIÇÕES (Lei Federal n. 9504/97, no seu Art. 59-A e parágrafo, determina que O VOTO DEVE SER IMPRESSO, sendo tal texto legal incluído em 2015 (Lei Federal n. 13165, todavia, o STF, contrariando o que foi elaborado e aprovado pelo PODER LEGISLATIVO (deputado e senadores quando da redação da norma) e pelo PODER EXECUTIVO (presidente da República sancionou a referida lei), através da ADI 5889 (de 2018) afastou a eficácia da citada norma, impedindo assim o voto impresso e auditável”, destaca um trecho do documento da OACB. 

Por fim, a proposta feita no documento, é que enquanto estas ações não forem adotadas pelo TSE, Bolsonaro deve ser mantido no cargo, e o impedimento da diplomação e posse do suposto vencedor do pleito, sem prova auditável de sua ‘vitória'”.

Confira também nosso canal no YouTube com as últimas notícias do mundo político clicando aqui.

Leia também: Influencer esquerdista acusa Braga Netto de tramar golpe, mas vira chacota na web

SEGUE A GENTE TAMBÉM NO TWITTER:

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao usar nossos serviços você concorda com as nossas políticas de privacidade.