Connect with us

Política

Mauro Cid Livre de Acusação: Ministério Público Pede Arquivamento de Denúncia

Avatar of Alteni

Published

on

Mauro Cid Livre de Acusação: Ministério Público Pede Arquivamento de Denúncia
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ministério Público Vê Abuso e Pede Fim de Denúncia contra Mauro Cid

Em uma reviravolta surpreendente, a Procuradoria da República no Distrito Federal se manifestou a favor de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do Presidente Jair Bolsonaro, e solicitou o arquivamento da denúncia apresentada pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos atos de 8 de janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A acusação foi levada à CPMI no início do mês, quando Mauro Cid, em depoimento, se recusou a responder perguntas que, segundo ele, não o incriminariam. Os parlamentares da Comissão interpretaram a conduta do ex-ajudante como um “abuso do direito ao silêncio”, considerando que ele chegou ao ponto de se negar a fornecer até mesmo a sua idade.

No entanto, ao analisar o caso, o procurador Caio Vaez Dias viu a situação de forma diferente. Segundo o procurador, Mauro Cid não cometeu nenhum crime. Em vez disso, estava exercendo seu direito constitucional de permanecer em silêncio para evitar autoincriminação, um princípio fundamental de nosso sistema legal. Com base nesse entendimento, Dias solicitou que a acusação contra Cid fosse arquivada, alegando que a ação da Comissão Parlamentar era uma tentativa de criminalizar um direito constitucionalmente garantido.

Agora, a decisão final será tomada pela 10ª Vara Federal.

Antes do depoimento de Cid, uma liminar concedida pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), já havia assegurado a ele o direito de permanecer em silêncio perante perguntas que pudessem incriminá-lo.

Bernardo Fenelon, advogado de Mauro Cid, louvou a decisão da Procuradoria, declarando que o Ministério Público agiu de “maneira precisa e em consonância com o ordenamento jurídico”. Em nota, o defensor afirmou que a continuidade da representação da CPI seria “uma criminalização do direito constitucional ao silêncio”.

“Ninguém pode ser constrangido a responder algo que possa eventualmente lhe prejudicar, tendo em vista que isto configura, indubitavelmente, a base do princípio humanitário do nemo tenetur se detegere — (a não obrigação de constituir provas contra si mesmo), historicamente conquistado para afastar abusos do poder punitivo estatal”, concluiu Fenelon.

Leia também: Bolsonaro faz declaração contundente em discurso sobre julgamento do TSE: ‘O sistema não quer uma pessoa honesta na Presidência’

Receba notícias exclusivas no nosso grupo do WhatsApp! Clique aqui para entrar.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços. Ao usar nossos serviços você concorda com as nossas políticas de privacidade.